A necessidade é mãe da invenção

  • Artigo

    2016 Maio 19, 10:00 CET

    Chuck Newmister, gerente de contas de sistemas de confiabilidade na SKF, esclarece como uma estratégia eficaz de gestão de ativos pode ajudar empresas do setor de petróleo e gás a proteger suas margens operacionais em uma época de crescente volatilidade.

    O setor de petróleo e gás está sob pressão para manter as margens operacionais. Os preços do petróleo caíram drasticamente nos últimos 12 meses, devido principalmente à oferta excessiva. Isso aconteceu por causa de uma série de fatores, entre eles novas descobertas de reservas e técnicas de perfuração, a explosão do fraturamento hidráulico de xisto, o declínio de economias importantes, a crescente disponibilidade de fontes alternativas de energia e o uso de motores de combustão cada vez mais eficientes em carros, caminhões, indústrias e usinas geradoras de energia.

    Embora o mercado de gás natural esteja um pouco melhor, ele também apresenta uma preocupação crescente, já que a oferta de curto prazo deve superar a demanda, com os analistas do setor prevendo apenas um crescimento anual modesto de 2,4% para 2018.

    A volatilidade contínua em toda a cadeia de suprimento poderá tornar-se a regra no futuro imediato. Portanto, as empresas precisam preparar-se para as incertezas, adaptando suas operações para ficarem cada vez mais ágeis e desenvolvendo métodos aprimorados para extrair o máximo valor de investimentos atuais e futuros em sistemas e equipamentos de extração, refinamento e distribuição.

    Gestão de ativos e otimização de custos
    O setor de petróleo e gás dos primórdios de produção e comercialização de volume liderou o mundo no uso da manutenção preventiva e preditiva, desenvolvendo modelos seguidos por vários outros setores da indústria. Essas técnicas foram usadas como ferramentas essenciais para melhorar a segurança, eficiência e otimização das fábricas e dos processos e apoiaram o crescimento de uma nova disciplina de gestão de ativos.

    A gestão de ativos é baseada na avaliação estratégica que identifica as oportunidades de melhoria da unidade com base na gravidade e então define e aplica as soluções mais apropriadas. O objetivo é incorporar as metas do negócio, os desafios de aplicação e a cultura organizacional em um roteiro que aprimore a confiabilidade, desempenho e funcionalidade de todos os ativos operacionais de extração, processo e distribuição. É aplicada então a metodologia de AEO (Asset Efficiency Optimization™) para garantir que todo ativo seja utilizado da forma mais eficiente possível, para maximizar o resultado sem aumentar as despesas de capital, reduzindo, ao mesmo tempo, os custos gerais operacionais e de manutenção.

    O sucesso do programa de gestão de ativos depende de uma estratégia claramente definida. Ele precisa ser orientado por metas do negócio, começando pela compreensão da situação atual e da visão de onde o negócio precisa estar para obter o desempenho ideal.

    Ref.: PWC http://www.strategyand.pwc.com/perspectives/2015-oil-gas-trends

    Pode ser um processo difícil de administrar devido à complexidade dos sistemas de produção e gestão encontrados em várias empresas de petróleo e gás multinacionais, grandes e com várias sedes. O ponto de partida é geralmente a realização de uma Análise das Necessidades do Cliente (CNA). Ela baseia-se em uma pesquisa simples com 40 perguntas para fornecer um instantâneo da operação de cada unidade de produção e mapear o modo como estão funcionando seus processos de confiabilidade e sua posição em uma série contínua de maturidade da manutenção, comparada com as médias e práticas recomendadas do setor. (Consulte a fig. 1).

    Uma vez concluída, a CNA fornece os dados principais para esboçar um plano de AEO detalhado a fim de aprimorar a confiabilidade e a utilização de ativos da fábrica. Esse procedimento de gestão do trabalho aborda quatro áreas importantes: planos de manutenção, identificação, controle e execução do trabalho, oferecendo uma metodologia integrada que repercuta a exclusividade dos processos, cultura e tecnologia em cada unidade ou operação.

    A tomada de uma abordagem estruturada à gestão de ativos pode ser familiar a muitas empresas do setor de petróleo e gás, principalmente as organizações maiores. No entanto, o que tende a acontecer é que, com o decorrer do tempo, os programas de gestão de ativos de longo prazo, cuidadosamente planejados, ficam comprometidos devido a restrições financeiras, atualizações de fábricas, aquisições da empresa, mudanças nos regulamentos ou lançamento de novos produtos. Como resultado, o ponto de vista dos gerentes e engenheiros concentra-se nos problemas internos de curto prazo, postergando os planos de prazo mais longo na ordem de prioridade.

    Também é importante observar que embora várias empresas do setor tenham processos extremamente eficazes de gestão de ativos e de confiabilidade da fábrica, eles nem sempre são sistematizados. As informações e o conhecimento foram obtidos por engenheiros e operadores de fábrica ao longo de vários anos e grande parte disso permanece guardado em suas cabeças, com somente uma pequena proporção registrada e catalogada para o aprendizado fácil de novos funcionários ou outros empreiteiros.

    A análise CNA é um método simples de começar o processo e pode levar à próxima fase, chamada de projeto SKF simplificado de Manutenção Centrada na Confiabilidade (RCM), em que é possível iniciar a coleta de grande parte dessas informações valiosas de uma maneira significativa, tanto para os engenheiros de fábrica quanto para a gerência sênior.

    Visão de longo prazo
    A dimensão e complexidade da maioria das operações de petróleo e gás indicam que, para ter verdadeiro sucesso, a estratégia de gestão de ativos requer uma visão clara e um plano de implementação tática de longo prazo. Qualquer coisa inferior a isso certamente levará a um aumento nos custos operacionais, com o risco de níveis crescentes de parada do equipamento e falta de confiabilidade do sistema.

    O aumento de volatilidade do mercado e de pressão sobre margens, juntamente com fatores como escassez de habilidades e equipe, além das demandas específicas de gestão e manutenção dos sistemas de processos de petróleo e gás, mostram que a gestão de ativos eficaz pode ser um grande desafio. Para muitas empresas, a parceria com uma empresa experiente, especializada e com conhecimento, como a SKF, é uma opção muito melhor em termos de custo-benefício. A terceirização de todo o processo ou de partes estratégicas dele pode oferecer maior flexibilidade, responsabilidade e controle; também pode aliviar a pressão sobre os recursos atuais, por exemplo, liberando as equipes internas de engenharia para se concentrarem em outras atividades importantes para o negócio.

    Um exemplo de organização que decidiu terceirizar seu processo de gestão de ativos firmando uma parceira com a SKF é uma grande empresa americana de transporte de petróleo e gás por tubulação. A empresa opera mais de 19 mil km de tubulações, 150 estações centrais de bombeamento e diversos terminais de distribuição em terminais ferroviários, portos e eixos rodoviários. Em um período de dez anos, no entanto, a empresa passou por várias fusões e alterações de propriedade. Os gerentes seniores reconheceram que isso havia causado uma perda gradual do enfoque na confiabilidade da máquina, com práticas e métodos inconsistentes de operação na rede de tubulação e de distribuição. Eles também viram que os planos de manutenção preditiva exigiam uma reavaliação completa, mas que a empresa não tinha os recursos internos necessários para realizar tal tarefa de modo eficaz.

    Fomos contratados para realizar um estudo de CNA e para, posteriormente, prestar serviços de monitoramento de condições, usando nossa rede de técnicos de manutenção baseados em campo para avaliar o status de cerca de 700 ativos de tubulação em toda a América do Norte.

    Mais tarde, começamos a investigar os ativos mais valiosos, principalmente em diversos terminais importantes de distribuição, com enfoque em sistemas e equipamentos críticos. O uso das técnicas de RCM da SKF foi um elemento importante nesse processo. Elas concentravam-se nos modos de falha predominantes e nos efeitos dessas falhas; depois recomendávamos as ações específicas para evitar que os problemas ocorressem novamente. Os eventos não críticos também foram avaliados e as providências apropriadas foram tomadas para otimizar os custos de manutenção e aumentar a produtividade. A mesma abordagem está sendo aplicada agora na rede de tubulação das estações de bombeamento.

    Posteriormente, a SKF trabalhou com o cliente para começar a desenvolver planos de trabalho padrão, que definiam as etapas críticas necessárias para cada atividade de monitoramento e manutenção, como o reparo de motores de bombeamento, incluindo uma lista de ferramentas e peças necessárias, as etapas de reparo envolvidas e o tempo e recursos exigidos. Esse plano será ampliado ainda mais com um programa de otimização de peças de reposição e lojas (SPO), minimizando o armazenamento e os custos e melhorando a disponibilidade e o local dos principais componentes para garantir que os reparos sejam feitos de modo rápido e econômico.

    Essa abordagem estratégica à gestão de ativos tem benefícios de curto e longo prazo para o cliente. A terceirização da gestão dos serviços de monitoramento de condições, pagos por meio de uma mensalidade de gestão combinada, permitiu que nosso cliente transferisse os custos de orçamentos CAPEX (despesas de capital) para OPEX (despesas operacionais), facilitando muito a justificação de custo do programa e o aumento no fluxo de caixa. Nossa abordagem estratégica à gestão de ativos oferece uma metodologia operacional bem definida e consistente que pode ser facilmente adaptada à medida que mudarem as necessidades do negócio ou do ambiente operacional do cliente, dando a ele uma solução segura e preparada para o futuro. Talvez mais importante ainda, oferecemos uma economia de mais de US$ 1 milhão nos primeiros doze meses do contrato, com melhor disponibilidade e produtividade de ativos e menos custos de reparo e manutenção. O tamanho da economia supera o custo anual do contrato de serviços.

    Experiência, conhecimento e recursos
    A terceirização está cada vez mais comum no setor nos principais serviços de negócios, desde a administração de instalações à logística e TI. Para as empresas do setor de petróleo e gás, o desafio na terceirização da gestão de ativos de missão e segurança críticos é encontrar um parceiro com o conhecimento, experiência e recursos globais necessários para fornecer a garantia de que todo e qualquer ativo será sempre monitorado e mantido conforme os mais altos padrões.

    Importantes fornecedores, como a SKF, são capazes de oferecer essa segurança. Igualmente importante, como ela possui as habilidades específicas e especializadas na área de gestão de ativos, monitoramento de condições e manutenção preventiva, é capaz de fornecer resultados melhores, mais rápidos e de modo mais eficiente do que uma função interna compatível. Um parceiro terceirizado de gestão de ativos oferece uma dimensão estratégica extra ao trabalho das equipes de manutenção interna e de engenharia, e pode trazer nova motivação e senso de finalidade. Por fim, o resultado deve ser eficiência operacional, redução de custos e melhoria nos níveis de otimização de ativos, que permite que as empresas de petróleo e gás se tornem cada vez mais ágeis na resposta à crescente volatilidade do mercado. Em um encontro recente de análise do programa com o cliente de tubulação, uma parte interessada elogiou o fato de que nenhum ativo sob o programa de monitoramento da SKF havia sofrido uma falha que pudesse ter sido detectada em três anos. Um de seus especialistas antigos em equipamentos rotativos comentou: “Não me lembro de um contrato ou relação de trabalho com fornecedores que tenha sido tão coeso. Isso reforça o conceito de que o sucesso não se trata apenas de tecnologia, mas muito mais de pessoas, sua experiência e seu comprometimento individual como parte de uma equipe”.

    Aktiebolaget SKF
    (publ.)

    Para obter mais informações, entre em contato com:
    Assessoria de imprensa: Nia Kihlström, +46 31-337 2897; +46 706 67 28 97; nia.kihlstrom@skf.com

    A SKF é um dos principais fornecedores globais de rolamentos, vedações, mecatrônica, sistemas de lubrificação e serviços que incluem suporte técnico, serviços de manutenção e confiabilidade, consultoria em engenharia e treinamento. A SKF está representada em mais de 130 países e possui cerca de 17 mil distribuidores em todo o mundo. As vendas anuais em 2015 foram de 75,997 bilhões de coroas suecas, e a empresa empregava 46.635 funcionários. www.skf.com

    SKF® é uma marca registrada do Grupo SKF.

  • Imagem

Download do kit de imprensa

Kit de imprensa (8.8 MB)

SKF logo