Precisão dimensional, da forma e de giro dos assentos e dos encostos dos rolamentos

A precisão dos assentos de rolamento cilíndricos em eixos e em diâmetros de mancais, dos assentos para arruelas de rolamentos axiais e das superfícies de suporte (encostos para rolamentos fornecidos pelos ressaltos do eixo e do mancal, etc.) deve corresponder à precisão dos rolamentos utilizados. A seguir, são fornecidos valores de referência para a precisão dimensional, da forma e de giro. Esses valores devem ser seguidos ao usinar os assentos e os encostos.

Tolerâncias dimensionais

Para rolamentos feitos para tolerâncias normais, a precisão dimensional dos assentos cilíndricos no eixo deve estar, pelo menos, no grau 6 e no mancal, pelo menos, no grau 7. Onde buchas de fixação ou de desmontagem são utilizadas, tolerâncias de diâmetro maiores (graus 9 ou 10) podem ser permitidas do que para assentos de rolamentos (consulte atabela). Os valores numéricos de graus de tolerância IT padrão para ISO 286-1:1988 encontram-se na tabela. Para rolamentos com maior precisão, graus correspondentemente maiores deverão ser utilizados.

Tolerâncias para forma cilíndrica

As tolerâncias de cilindricidade, conforme definidas em ISO 1101:2004 devem ser de 1 a 2 graus IT melhores que a tolerância dimensional prescrita, dependendo dos requisitos. Por exemplo, se um assento do eixo de um rolamento tiver sido usinado para tolerância m6, a precisão da forma deverá ser conforme IT5 ou IT4. O valor de tolerância t1 para cilindricidade é obtido para um diâmetro de eixo suposto de 150 mm de t1 = IT5/2 = 18/2 = 9 µm. No entanto, a tolerância t1 é para um raio, enquanto 2t1 se aplica ao diâmetro do eixo. A tabela fornece valores de referência para a tolerância da forma cilíndrica e a tolerância de desvio total para as diferentes classes de tolerância de rolamento.
Quando os rolamentos tiverem que ser montados em buchas de fixação ou de desmontagem, a concentricidade do assento da bucha deverá ser IT5/2 (para h9) ou IT7/2 (para h10) (consulte a tabela).

Tolerâncias para perpendicularidade

Os encostos para anéis de rolamentos devem ter uma tolerância de retangularidade, conforme definida em ISO 1101:2004, que é melhor por pelo menos um grau IT, que a tolerância de diâmetro do assento cilíndrico associado. Para assentos de arruelas de rolamentos axiais, a tolerância para perpendicularidade não deverá exceder os valores de IT5. Os valores de referência para a tolerância para retangularidade e para o desvio axial total serão encontrados na tabela.

As tolerâncias para os assentos do munhão cônico

Quando um rolamento é montado diretamente no assento de um eixo cônico, a tolerância de diâmetro do assento pode ser maior do que no caso de assentos cilíndricos. A fig. 1 mostra uma tolerância de diâmetro de grau 9, enquanto que as estipulações da tolerância da forma são as mesmas que para um assento de eixo cilíndrico. As recomendações da SKF para assentos de eixo cônico para rolamentos são as que se seguem.
O desvio permitido da inclinação da conicidade é uma tolerância ± de acordo com IT7/2, com base na largura do rolamento B (fig. 2). O valor pode ser determinado por Δk = IT7/2B

A faixa de dispersão permitida (variação da inclinação de conicidade) torna-se, portanto

Vk = 1/k ± IT7/2B

onde

Vka faixa de dispersão permitida da inclinação de conicidadeΔo desvio permitido da inclinação de conicidadek= fator para a conicidade
12 para conicidade 1:12
30 para conicidade 1:30B= largura do rolamento, mmIT7=
=k=
o valor do grau de tolerância com base na largura do rolamento mm
  • A tolerância de curvatura é IT5/2, baseada no diâmetro d e é definida como: "Em cada plano axial na superfície cônica do eixo, a zona de tolerância é limitada por duas linhas paralelas separadas por uma distância "t".
  • O desvio radial de circularidade é IT5/2, baseado no diâmetro d e é definido como: "Em cada plano radial ao longo da superfície cônica do eixo, a zona de tolerância é limitada por dois círculos concêntricos separados por uma distância "t". Quando requisitos mais rigorosos de precisão de giro são estipulados, IT4/2 deve ser aplicado.
A melhor maneira de verificar se a conicidade está dentro das tolerâncias recomendadas é medir com calibradores cônicos especiais, com base em duas selas. Métodos mais práticos, mas menos precisos, são o uso de calibradores de anel, calibradores cônicos especiais ou réguas de seno.
SKF logo