Ajustes dos intervalos de relubrificação devido às condições operacionais e aos tipos de rolamentos

Temperatura operacional:
Para compensar o envelhecimento prematuro da graxa com o aumento de temperatura, a SKF recomenda dividir pela metade os intervalos obtidos (diagrama 1) para cada aumento de 15 °C(27 °F) na temperatura operacional acima de 70 °C (160 °F). O limite de desempenho em alta temperatura HTPL para a graxa (diagrama 2) não deve ser ultrapassado.

O intervalo de relubrificação tf pode ser estendido em temperaturas abaixo de 70 °C (160 °F) se a temperatura não estiver próxima ao limite de desempenho de temperatura mais baixa LTPL (diagrama 2). A SKF não recomenda estender o intervalo de relubrificação t f por mais do que um fator de dois.

Não estenda os valores tf obtidos (diagrama 1) para rolamentos com conjunto completo de rolos ou rolamentos axiais de rolos. Além disso, não é recomendável utilizar intervalos de relubrificação que excedam 30 mil horas.
Eixos verticais
Para rolamentos em eixos verticais, os intervalos obtidos no diagrama 1 deveriam ser divididos.

O uso de uma placa defletora, de vedação ou proteção é um pré-requisito para evitar o vazamento de graxa do arranjo de rolamentos.
Vibração
A vibração moderada não afeta negativamente a duração da graxa. No entanto, altos níveis de choque e vibração, como os de aplicações de peneiras vibratórias, fazem com que a graxa seja agitada. Nesses casos, o intervalo de relubrificação deve ser menor. Se, durante a operação, a graxa ficar muito mole, use uma graxa mais estável mecanicamente, por exemplo, a graxa SKF LGHB 2 ou uma graxa com maior rigidez, até NLGI 3.
Rotação do anel externo
Em aplicações nas quais há rotação do anel externo, o fator de velocidade A é calculado de maneira diferente. Nesse caso, utilize o diâmetro externo D do rolamento em vez de dm. O uso de uma vedação eficaz é um pré-requisito para evitar o vazamento de graxa.

Em aplicações com velocidades altas do anel externo (ou seja, mais de 40% da velocidade de referência listada nas tabelas de produtos), devem ser usadas graxas com boas propriedades de separação do óleo.

Para os rolamentos axiais de rolos esféricos com uma arruela da caixa de mancal, recomenda-se a lubrificação com óleo.
contaminação
Em aplicações nas quais a entrada de contaminações sólidas é um problema, é necessária uma relubrificação mais frequente do que o indicado pelo intervalo de relubrificação. A relubrificação reduz o nível de contaminação e reduz os efeitos prejudiciais causados pela sobrerrolagem das partículas. Contaminantes líquidos como água e/ou fluidos de processamento também exigem uma redução no intervalo de relubrificação. No caso de contaminação grave, a relubrificação contínua deveria ser considerada.
Velocidades muito baixas
Escolher a graxa apropriada e o preenchimento com graxa é muito importante para aplicações de baixa velocidade. Os rolamentos que operam em velocidades muito lentas sob cargas leves exigem uma graxa de consistência baixa. Os rolamentos que operam em baixas velocidades sob cargas pesadas devem ser lubrificados com uma graxa que contenha óleo base de alta viscosidade com aditivos EP.

Aditivos sólidos, como grafite e dissulfeto de molibdênio (MoS 2) podem ser considerados para um fator de velocidade A < 20.000 mm/min.
Altas velocidades
Os intervalos de relubrificação para rolamentos utilizados em velocidades acima do fator de velocidade A recomendado (tabela 1 só devem ser aplicados ao utilizar graxas especiais ou execuções de rolamentos modificados, como rolamentos híbridos. Nesses casos, técnicas de relubrificação contínuas como óleo circulante ou o método ar-óleo são mais adequadas do que a lubrificação com graxa.
Cargas de rolamento pesadas e muito pesadas
Para os rolamentos que operam em um fator de velocidade A > 20.000 mm/min e que estão sujeitos a uma classificação de carga C/P < 4, o intervalo de relubrificação é reduzido ao ponto em que a SKF recomenda a relubrificação de graxa contínua ou o método de lubrificação de banho de óleo.

Em aplicações nas quais o fator de velocidade A < 20.000 mm/min e a relação de carga C/P =1 – 2, consulte Velocidades muito lentas.

Para cargas pesadas e velocidades altas, geralmente, a SKF recomenda o sistema de óleo circulante com refrigeração auxiliar.
Cargas de rolamento muito leves
Em muitos casos, os intervalos de relubrificação podem ser estendidos se as cargas forem leves, ou seja, C/P =30 a 50. Para obter um funcionamento satisfatório, os rolamentos devem ser submetidos à carga mínima, conforme indicado nos capítulos dos produtos relevantes.
Desalinhamento
Um desalinhamento estático dentro dos limites permitidos não afeta adversamente a duração da graxa em rolamentos de rolos esféricos, rolamentos autocompensadores de esferas ou rolamentos de rolos toroidais CARB®.
Rolamentos grandes
Rolamentos dos rolos grandes (d >300 mm) utilizados em máquinas de processos, exigem uma abordagem proativa. Para essas aplicações críticas, a SKF recomenda seguir rigorosamente as quantidades de relubrificação, mas com intervalos mais curtos de relubrificação inicial.

Antes da relubrificação, verifique a graxa usada para ambos os contaminantes sólidos e líquidos. Além disso, verifique o sistema de vedação completamente à procura de desgaste, dano e vazamentos. Quando a condição da graxa e dos componentes associados for considerada satisfatória, o intervalo de relubrificação poderá ser aumentado gradualmente.

A SKF recomenda um procedimento semelhante para os rolamentos axiais autocompensadores de rolos, máquinas de protótipos e atualizações do equipamento de energia de alta densidade ou onde quer que a experiência da aplicação seja limitada.
Rolamentos de rolos cilíndricos
Os intervalos de relubrificação (diagrama 1) são válidos para rolamentos de rolos cilíndricos instalados com:
  • uma gaiola PA66 reforçada com fibra de vidro, centrada nos rolos, sufixo de designação P 
  • uma gaiola em latão usinado, centrada nos rolos, sufixo de designação M

Os intervalos de relubrificação obtidos (diagrama 1) devem ser divididos pela metade e a graxa com boas propriedades de separação do óleo deve ser aplicada nos rolamentos de rolos cilíndricos com:
  • uma gaiola em aço estampado, centrada nos rolos, sem sufixo de designação ou sufixo J 
  • uma gaiola em latão usinado, centrada no anel interno ou externo, sufixos de designação MA, MB, MH, ML ou MP
  • uma gaiola em aço laminado, centrada no anel interno ou externo, sufixos de designação JA ou JB
Observações
Se, durante o teste, o valor determinado do intervalo de relubrificação tf for muito curto para uma determinada aplicação, a SKF recomenda o seguinte:
  • Verificar a temperatura operacional do rolamento.
  • Verificar se a graxa contém contaminantes sólidos ou líquidos.
  • Verifique as condições operacionais, como carga ou desalinhamento.
  • Verifique se uma graxa mais adequada é necessária.
SKF logo