Montagem de rolamentos com um furo cilíndrico

Com rolamentos não separáveis, geralmente o anel que precisa ter o ajuste mais apertado é montado primeiro.

Montagem a frio

Se o ajuste não for muito apertado, rolamentos pequenos podem ser colocados na posição através da aplicação de leves golpes de martelo em uma bucha colocada contra a face lateral do anel do rolamento. Os golpes devem ser distribuídos uniformemente ao redor do anel para evitar que o rolamento se incline ou desvie. O uso de uma ferramenta de montagem de rolamentos (fig. 1) ou de um encosto de montagem (fig. 2) em vez de uma bucha permite que a força de montagem seja aplicada centralmente.
Um grande número de rolamentos costuma ser montado com uma prensa.
Se um rolamento for pressionado no eixo e para dentro do furo do mancal ao mesmo tempo, a força de montagem deverá ser aplicada por igual em ambos os anéis e as superfícies de encosto da ferramenta de montagem deverão estar no mesmo plano. Sempre que possível, a montagem deve ser feita com uma ferramenta de montagem de rolamentos SKF (fig. 1).
Com rolamentos autocompensadores, o uso de um anel de montagem intermediário evita que o anel externo se incline e desvie quando o rolamento e o conjunto do eixo forem introduzidos no furo do mancal (fig. 3). Nas séries 12 e 13, as esferas dos rolamentos autocompensadores de esferas grandes ficam salientes em relação às laterais do rolamento. Essa característica do projeto precisa ser levada em conta ao montar os rolamentos.
Com rolamentos separáveis, o anel interno pode ser montado independentemente do anel externo, o que simplifica a montagem, particularmente quando ambos os anéis têm um ajuste interferente. Ao montar o conjunto do anel interno e do eixo no mancal que contém o anel externo, é necessário cuidadoso alinhamento para evitar marcar as pistas e os corpos rolantes. Ao montar rolamentos de rolos cilíndricos e de agulhas com um anel interno sem flanges ou com um flange de um só lado, deve-se utilizar uma bucha de orientação (fig. 4). O diâmetro externo da bucha deve ser equivalente ao diâmetro da pista do anel interno e deve ser usinado com a classe de tolerância d10 para rolamentos de rolos cilíndricos e com tolerância de 0/–0,025 mm para rolamentos de rolos de agulhas.

Montagem a quente

Geralmente, não é possível montar rolamentos maiores sem aquecer o rolamento ou o mancal, uma vez que a força necessária para montar um rolamento aumenta consideravelmente com o aumento do tamanho do rolamento.
A diferença de temperatura necessária entre o anel do rolamento e o eixo ou mancal depende do grau de interferência e do diâmetro do assento do rolamento. Rolamentos abertos não devem ser aquecidos a mais de 120 °C (250 °F). A SKF não recomenda aquecer rolamentos tampados com vedações ou placas de proteção acima de 80 °C (175 ° F). No entanto, se forem necessárias temperaturas mais altas, certifique-se de que a temperatura não exceda a temperatura permitida da vedação ou da graxa, a que for mais baixa.
Ao aquecer rolamentos, é necessário evitar o superaquecimento. Para aquecer os rolamentos de modo uniforme e confiável, a SKF recomenda a utilização de aquecedores por indução elétricos SKF (fig. 5). Caso sejam usadas chapas quentes, o rolamento deverá ser virado várias vezes. As vedações nos rolamentos vedados nunca devem entrar em contato com a placa de aquecimento diretamente. Coloque um anel entre a placa e o rolamento.
SKF logo