Lubrificação

As caixas de mancal SAF e SAW podem acomodar sistemas de lubrificação a graxa, banho de óleo ou óleo circulante. Qualquer solução de vedação pode ser usada com a lubrificação a graxa, enquanto que para a lubrificação a óleo a SKF não recomenda o uso de anéis de labirinto na série LER.

O lubrificante deve ser selecionado com base nas condições operacionais do rolamento. Para obter informações adicionais, consulte Seleção de lubrificantes.

Preenchimento inicial com graxa

Se não existirem outras exigências, o espaço livre no rolamento deve ser totalmente preenchido com graxa e o espaço livre no mancal deve ser preenchido até 20 a 40% de seu volume. Um preenchimento com graxa de 40% é necessário quando os rolamentos devem ser relubrificados pela lateral, enquanto que um preenchimento com graxa de 20% é usado quando os rolamentos são relubrificados através do anel externo.

Para ambientes altamente contaminados e velocidades baixas, preencha o mancal até 70 a 80%. Para a melhor proteção contra contaminantes, use a SKF Three-Barrier Solution. Para obter informações adicionais, entre em contato com o serviço de engenharia de aplicação SKF.
As quantidades para preenchimento com graxa de 20% e 40% estão listadas na tabela 1 e na tabela 2. Os valores são válidos para uma graxa de lítio típica (aproximadamente 0,57 oz/in3). A graxa para o preenchimento de vedações de labirinto ou de vedações taconite de grandes diâmetros não está incluída. Para rolamentos vedados, os valores devem ser ajustados.
Na maioria das aplicações, o preenchimento com graxa inicial lubrificará adequadamente o rolamento, até que a graxa seja trocada durante o próximo intervalo de manutenção planejado.

Relubrificação

As tampas dos mancais SAF e SAW têm dois furos para lubrificação com rosca, um centralizado e o outro deslocado (fig. 1), que são vedados com tampões de tubo padrão.

Os mancais também têm marcações rebaixadas na tampa em que podem ser abertos furos com rosca se forem necessárias outras posições. Duas marcações rebaixadas nas laterais externas do sulco central indicam a posição dos furos para lubrificação das vedações de labirinto. Todas as bases dos mancais SAF e SAW são equipadas com um tampão de drenagem em cada lado (fig. 2) para purgar ou drenar lubrificantes velhos ou para servir como saída para óleo circulante. O coletor na base do mancal é grande o bastante para acomodar uma quantidade suficiente de lubrificante para fornecer uma operação confiável de longo prazo.
Relubrificação através do anel externo

O furo no centro da tampa deve ser usado para relubrificar rolamentos autocompensadores de rolos com recurso de relubrificação (um canal para lubrificação e furos no anel externo) (fig. 3). Ao aplicar graxa através do recurso de relubrificação, o eixo deve estar girando.

Os rolamentos estreitos (séries de dimensões 13 e 22) na posição fixa podem ser deslocados axialmente, de maneira que o canal para lubrificação no rolamento não se alinhe com o furo para relubrificação na tampa do mancal. Certifique-se de que o rolamento esteja suficientemente centralizado ao relubrificar.

Relubrificação pela lateral

Quando a relubrificação é feita pela lateral, o que geralmente é necessário para rolamentos autocompensadores de esferas e rolamentos de rolos toroidais CARB, deve ser utilizado o furo deslocado no mancal.

Os mancais SAF dos tamanhos 507 ao 528 possuem um flange integrado que guia a graxa do pino graxeiro diretamente para os elementos rolantes (fig. 4).

Quando rolamentos montados em uma bucha de fixação precisam ser relubrificados pela lateral, a graxa deve ser introduzida pelo lado oposto à porca de fixação.

Quando rolamentos montados na extremidade de um eixo precisam ser relubrificados pela lateral, a graxa deve ser aplicada no ponto mais próximo ao tampão de fechamento.

Lubrificação por banho de óleo

O nível do óleo deve estar aproximadamente no centro do corpo rolante inferior quando o rolamento estiver estacionário. Os valores do nível de óleo estão listados na tabela 3 e na tabela 4. Para velocidades mais altas, o nível deve ser ligeiramente inferior para reduzir os efeitos da agitação do lubrificante: aproximadamente 1/8 pol. acima do canto da pista do anel externo do rolamento. Para obter informações adicionais, entre em contato com o serviço de engenharia de aplicação SKF.
Um visor de óleo deve ser usado para monitorar o nível do óleo durante a operação. Ele pode ser montado em um dos furos de dreno na base do mancal. O nível de óleo estático deve ser marcado no visor durante a instalação, e um nível de funcionamento deve ser marcado imediatamente após o início de operação. Dependendo do tipo de rolamento e da velocidade e direção da rotação, o nível de funcionamento pode aumentar ou diminuir em relação ao nível estático.

Sistemas de lubrificação por óleo circulante

Ao usar um sistema de lubrificação por óleo circulante com mancais SAF e SAW, o óleo é introduzido através de um dos furos de entrada da tampa do mancal e drenado através de um ou de ambos os furos na base. Em rolamentos autocompensadores de rolos, o óleo deve ser introduzido através do furo central da tampa e drenado por ambos os lados da base (fig. 5). Em rolamentos autocompensadores de esferas e rolamentos de rolos toroidais CARB, o óleo deve ser introduzido através do furo deslocado da tampa e drenado pelo lado oposto da base para que o óleo seja forçado através do rolamento (fig. 6).
Os drenos devem descer assim que chegam ao lado de fora do mancal para evitar o acúmulo de óleo no mancal. Um nível de óleo elevado demais pode resultar em temperaturas operacionais mais altas devido à agitação do lubrificante. A tubulação de drenagem precisa ser dimensionada e disposta adequadamente para fornecer uma drenagem adequada. Considerações adicionais podem ser necessárias ao utilizar óleo circulante. Elas podem incluir vedações especiais, perfurações cruzadas no mancal, requisitos de coletor úmido, taxas de fluxo e furos de dreno ampliados. Para obter informações adicionais, entre em contato com o serviço de engenharia de aplicação SKF.
SKF logo