Lubrificação

As subseções a seguir oferecem suporte e diretrizes gerais sobre lubrificação para cada tipo de material. A complexidade torna impossível incluir todas as informações necessárias para abordar cada aplicação concebível. Para obter informações adicionais sobre lubrificação, entre em contato com o serviço de engenharia de aplicação SKF.
Buchas de bronze
As buchas de bronze SKF podem ser lubrificadas com óleo ou graxa. O lubrificante não só melhora as propriedades de deslizamento, mas também reduz o desgaste e evita a corrosão. Enquanto o óleo é utilizado em casos excepcionais, as buchas de bronze são normalmente lubrificadas com graxa.
Para proteger a bucha e o lubrificante, a SKF recomenda usar vedações em ambientes altamente contaminados.
Todas as buchas com diâmetro do furo d > 14 mm incorporam um canal para lubrificação axial.

Buchas de bronze sinterizado
As buchas de bronze sinterizado SKF são impregnadas com lubrificante. Portanto, durante o armazenamento e a montagem, a bucha nunca deve entrar em contato com materiais absorventes, pois poderá eliminar o óleo muito rapidamente. Normalmente não é necessário utilizar lubrificação adicional.

Buchas de bronze revestido
A superfície deslizante de uma bucha de bronze revestido SKF contém bolsas em formato de diamante (fig. 1) que devem ser inicialmente preenchidas com graxa. As bolsas atuam como reservatórios para liberar lubrificante progressivamente durante a operação. Se graxa ou óleo forem usados, um lubrificante de boa qualidade reduz o atrito e o desgaste, separando a bucha de bronze revestido de seu eixo. Para proteger a bucha e o lubrificante em ambientes altamente contaminados, a SKF recomenda usar vedações.

Rolamentos com composto de PTFE
Os rolamentos com composto de PTFE apresentam boas características de deslizamento seco e não exigem lubrificação. No entanto, a presença ou o suprimento contínuo de óleo ou de outro fluido pode ser vantajoso. Mesmo fluidos, normalmente não associados à lubrificação, como água, querosene ou parafina, podem ser utilizados. A lubrificação melhora a remoção de calor da posição do rolamento e a formação de um filme lubrificante hidrodinâmico. Portanto, a lubrificação tem efeito bastante favorável no comportamento de desgaste do rolamento, estendendo consideravelmente sua vida.
A relubrificação periódica com graxa para aprimorar a vedação ou proteger a superfície de apoio contra corrosão também pode estender a vida útil do rolamento.
Entretanto, uma única aplicação inicial de graxa ao montar rolamentos com composto de PTFE pode ter uma influência negativa na vida útil do rolamento, uma vez que a graxa pode formar uma mistura pastosa com as partículas de desgaste produzidas durante o amaciamento e aumentar o desgaste do rolamento.
Graxas à base de lítio resistentes ao envelhecimento são preferidas para temperaturas de funcionamento de até 80 °C, enquanto em temperaturas mais altas, as graxas de silicone devem ser utilizadas. Graxas que contêm lubrificantes sólidos, como dissulfeto de molibdênio, são totalmente inadequadas.

Rolamentos compostos POM
As rótulas com composto de POM SKF foram desenvolvidas para operar sob condições de lubrificação precárias. Sua superfície deslizante contém reservatórios de graxa (fig. 2) que devem ser preenchidos antes da instalação. Não é necessário relubrificar essas rótulas, mas a presença de um lubrificante pode estender consideravelmente a vida útil do rolamento.
Para proteger as superfícies conjugadas contra corrosão, a graxa pode ser aplicada periodicamente. Por essa razão, as buchas com composto de POM com um diâmetro de furo d ≥ 10 mm e largura de B ≥ 12 mm são fornecidas por padrão com um furo para lubrificação. As dimensões e a posição do furo estão de acordo com a norma DIN 1434:1983.
Graxas à base de lítio resistentes ao envelhecimento são preferidas para temperaturas operacionais de até 80 °C, enquanto para temperaturas mais altas, devem ser utilizadas graxas de silicone. Graxas que contêm lubrificantes sólidos, como dissulfeto de molibdênio, são totalmente inadequadas.

Buchas de poliamida e PTFE
As buchas de poliamida e PTFE SKF foram concebidos para operação a seco. Um lubrificante pode, no entanto, melhorar o desempenho dessas buchas. Com um fornecimento adequado de graxa, óleo, água ou outro líquido, a velocidade operacional dessas buchas pode ser aumentada.
As buchas de poliamida e PTFE SKF são resistentes à maioria das graxas e óleos lubrificantes.

Buchas de filamento enrolado
As buchas de filamento enrolado SKF têm excelentes características de deslizamento a seco, devido à sua exclusiva superfície deslizante. A superfície deslizante de baixo atrito não exige lubrificante adicional.
Em casos nos quais a lubrificação é necessária, por exemplo, quando o eixo exige proteção contra corrosão ou os componentes adjacentes (como uma arruela axial) exigem lubrificação, o lubrificante normalmente não tem efeito negativo na bucha em condições operacionais normais. No entanto, com a lubrificação, a vantagem da operação livre de manutenção se perde parcialmente em condições de alterações de carga em alta frequência com níveis de carga pesados.
A SKF recomenda o uso de vedações quando a bucha deve ser usada em um ambiente altamente contaminado.

SKF logo