Cookies no site da SKF

A SKF usa cookies nos sites para ajustar ao máximo as informações exibidas com as preferências de nossos visitantes, como as opções de país e idioma.

Você aceita o uso de cookies da SKF?

Projetos e variantes

Os vários tipos de buchas, seus modelos e variantes estão descritos a seguir:
Buchas de bronze maciço
As buchas de bronze maciço estão disponíveis em tamanhos métricos como buchas retificadas (fig. 1) ou flangeadas (fig. 2). Esse material robusto das buchas é adequado para uma ampla variedade de aplicações. Essas buchas são aplicáveis a movimentos oscilantes em direções radiais e axiais ou a aplicações nas quais as velocidades de rotação são baixas.
As buchas de bronze maciço podem ser lubrificadas com óleo ou graxa, enquanto o lubrificante não só melhora as propriedades de deslizamento, mas também reduz o desgaste e evita a corrosão. Essas buchas com diâmetro do furo d >14 mm têm um canal para lubrificação axial em sua superfície deslizante e são indicadas pelo sufixo de designação G1.
Todas as superfícies de uma bucha de bronze são usinadas.
Buchas de bronze sinterizado
As buchas de bronze sinterizado estão disponíveis em tamanhos métricos como buchas retificadas (fig. 3) ou flangeadas (fig. 4). Essas buchas autolubrificantes que dispensam manutenção consistem em uma matriz de bronze porosa impregnada com lubrificante. A impregnação de óleo permite uma velocidade de deslizamento muito alta e torna essas buchas adequadas para aplicações rotativas.
A SKF não recomenda usinagem ou retificação da superfície deslizante de uma bucha sinterizada porosa devido ao risco de fechamento dos poros da bucha.
Buchas de bronze empacotado
As buchas de bronze empacotado estão disponíveis em tamanhos métricos como buchas retificadas (fig. 5) ou flangeadas (fig. 6). Elas são revestidas de tiras e calibradas. Estas buchas são uma excelente solução para ambientes sujos onde há altos níveis de contaminação que tornam a relubrificação necessária. Eles são resistentes a cargas de choque e vibrações em velocidades baixas.
As bolsas de lubrificação em formato de diamante na superfície deslizante (fig. 7) precisam ser inicialmente preenchidas com graxa. Um lubrificante de boa qualidade reduz o atrito e o desgaste por meio da separação da bucha de bronze de seu eixo. Para proteger a bucha e o lubrificante em ambientes altamente contaminados, a SKF recomenda usar vedações.
Buchas com composto de PTFE
As buchas com composto de PTFE/POM SKF estão disponíveis como buchas retificadas (fig. 8) em tamanhos métricos e em polegadas, e como buchas flangeadas (fig. 9) em tamanhos métricos. Essas buchas são autolubrificantes, livres de manutenção e, devido ao baixo atrito, proporcionam uma vida útil longa. Apesar de seu modelo compacto, elas podem acomodar cargas radiais pesadas e são adequadas para movimentos rotacionais e oscilantes relativamente lentos. Elas proporcionam boa estabilidade dimensional e condutividade térmica.

As buchas com composto de PTFE consistem em um suporte de aço laminado com uma camada porosa e grossa de 0,2 a 0,4 mm de espessura de estanho/bronze sinterizado (fig. 10). Além disso, através de um processo de laminação, os poros da camada sinterizada são preenchidos com uma mistura de PTFE (politetrafluoroetileno) e aditivos de dissulfeto de molibdênio. Essa camada de giro inicial de 5 a 50 μm de espessura oferece uma combinação otimizada das propriedades mecânicas do bronze/estanho sinterizado e das boas propriedades de deslizamento e lubrificação da mistura de PTFE.

Período de giro inicial
Durante um curto período de amaciamento, quantidades mínimas do material de PTFE da camada de giro inicial são transferidas para as superfícies de apoio. Após essa transferência ocorrer, as propriedades características de baixo atrito e desgaste dessas buchas serão atingidas.
Buchas com composto de POM
As buchas SKF com composto de POM estão disponíveis como buchas retificadas (fig. 11) em tamanhos métricos e em polegadas. As bolsas na superfície deslizante tornam essas buchas indicadas para aplicações que exigem o mínimo de manutenção sob condições operacionais difíceis, como em ambientes contaminados nos quais não é possível fornecer lubrificantes continuamente ou com frequência. Portanto, os reservatórios de graxa devem ser preenchidos antes da instalação. Apesar de seu projeto compacto, as buchas com composto de POM podem acomodar cargas radiais pesadas e são menos sensíveis ao desalinhamento. Elas são apropriadas para movimentos oscilantes e rotacionais lentos, bem como lineares.

As buchas com composto de POM consistem em um suporte de aço laminado com uma camada grossa de 0,2 a 0,4 mm de espessura de estanho/bronze sinterizado. A principal característica dessas buchas é sua camada de cobertura relativamente espessa (aproximadamente, 0,25 a 0,45 mm) de resina acetal (POM – polioximetileno) com aditivos. Essa camada de cobertura tem bolsas para reter graxa e é firmemente presa à camada de estanho/bronze sinterizado (fig. 12).
A espessura da camada de cobertura torna essas buchas menos sensíveis ao desalinhamento e ao carregamento de borda associado ao desalinhamento.
Buchas de poliamida com composto de PTFE
As buchas de poliamida com composto de PTFE SKF estão disponíveis em tamanhos métricos como buchas retificadas (fig. 13) ou flangeadas (fig. 14). Essas buchas econômicas e autolubrificantes que dispensam manutenção foram desenvolvidas para operações a seco. No entanto, o lubrificante pode melhorar o desempenho. Apesar de seu design de parede fina, as buchas de poliamida com composto de PTFE são resistentes ao desgaste e podem acomodar cargas moderadas. Seu projeto compacto oferece boa dissipação de calor e, portanto, velocidades de deslizamento relativamente altas.
Buchas de filamento enrolado
As buchas de filamento enrolado SKF estão disponíveis como buchas retificadas (fig. 15) em tamanhos métricos. Elas têm excelentes características de deslizamento a seco e a superfície deslizante de baixo atrito não exige lubrificante adicional. Entretanto, um lubrificante pode proteger contra contaminação e não tem efeitos negativos. Essas buchas foram desenvolvidas para acomodar cargas pesadas e vibrações, bem como proporcionam uma operação que dispensa manutenção, mesmo em condições extremas e em ambientes corrosivos.
Porém, as buchas de filamento enrolado têm apenas uma capacidade limitada para acomodar partículas sólidas incorporadas no material do filamento enrolado. Por isso, a SKF recomenda proteger a superfície deslizante contra a entrada de contaminantes (Modelos de arranjos de buchas) quando a bucha for usada em ambientes altamente contaminados.
As buchas de filamento enrolado SKF, que, com frequência, são dimensionalmente intercambiáveis com as buchas de bronze ou aço, podem ser usinadas utilizando métodos normais em todas as superfícies, exceto a superfície deslizante. Para facilitar a montagem, a bucha pode ser dividida longitudinalmente em duas metades usando um rebolo com revestimento de diamante. Também deve-se aplicar fluido de resfriamento o suficiente para evitar temperaturas muito altas, pois elas podem destruir a bucha.

As buchas de filamento enrolado SKF são fabricadas por meio de uma técnica de enrolamento a partir de um composto autolubrificante. A única camada da superfície deslizante é composta de poliéster de alta resistência e PTFE (politetrafluoroetileno). O suporte é composto de fibras de vidro tensionadas de alta resistência enroladas. Ambas as camadas são produzidas por enrolamento de fibras sem fim em um padrão cruzado (fig. 16) e são integradas em uma matriz de resina epóxi de maneira que elas fiquem firmemente presas uma à outra.
SKF logo