Cookies no site da SKF

Nós utilizamos cookies para assegurar que você tenha a melhor experiência em nossos sites e em nossos aplicativos da Web. Caso você continue sem alterar as configurações de seu navegador, entenderemos que você deu seu consentimento para receber cookies. No entanto, você poderá alterar as configurações de cookies de seu navegador a qualquer momento.

cookie_information_popup_text_2[149]

Atrito

A carga, a velocidade de deslizamento e a temperatura operacional são fatores essenciais para determinar o atrito em rótulas. O atrito também é influenciado pela a rugosidade da superfície sobre a qual o rolamento corre, o grau de contaminação e as condições de lubrificação.

A faixa do coeficiente de atrito µ para cada bucha, arruela axial e material de tira é informada nas seções de dados do rolamento em questão:

Valores de referência para o coeficiente de atrito μ das rótulas de composto com PTFE

Usando os rolamentos com composto de PTFE como exemplo para o coeficiente de atrito µ em condições operacionais diferentes, os menores valores são normalmente obtidos onde há altas cargas específicas e velocidades de deslizamento baixas (diagrama 1). Em condições operacionais particularmente desfavoráveis, como em cargas leves, velocidades altas ou superfícies inadequadas, os valores máximos de referência podem ser excedidos. O coeficiente de atrito µ para rolamentos com composto de PTFE aumenta em temperaturas acima de +100 °C.

Valores semelhantes são encontrados para o material composto de POM, mas a presença ou o fornecimento constante de fluidos de lubrificação ajuda a diminuir o atrito.

Os efeitos de grudar/deslizar são desprezíveis para buchas de PTFE e POM.

As buchas de PTFE geralmente têm um período de amaciamento (Modelos e variantes das buchas).

Comportamento de atrito de outros materiais

Para obter informações sobre o comportamento de atrito de outros materiais, entre em contato com o serviço de engenharia de aplicação da SKF.

SKF logo