Cookies no site da SKF

Nós utilizamos cookies para assegurar que você tenha a melhor experiência em nossos sites e em nossos aplicativos da Web. Caso você continue sem alterar as configurações de seu navegador, entenderemos que você deu seu consentimento para receber cookies. No entanto, você poderá alterar as configurações de cookies de seu navegador a qualquer momento.

Seleção de graxa ou óleo

Performance and operating conditionsBearing type and arrangementBearing sizeLubricationOperating temperature and speedBearing specificationBearing executionSealing, mounting and dismounting

A primeira etapa do processo de seleção de lubrificação é decidir se você usará graxa ou óleo. Na maioria dos casos, a graxa é a escolha apropriada para rolamentos abertos.

Fluxograma e critérios de seleção da lubrificação
Um fluxograma para ajudar a selecionar o método de lubrificação correto é mostrado no diagrama 1.

Entre as principais razões para escolher a graxa estão:
  • custo-benefício
  • simplicidade: a graxa é facilmente retida no rolamento e no mancal, exigindo arranjos de vedação menos complicados em comparação com aqueles para lubrificação a óleo
As principais exceções à escolha da graxa são aplicações em que:
  • as condições de funcionamento exigem um intervalo de relubrificação de graxa que é inaceitavelmente curto
  • o óleo lubrificante deve ser utilizado para outras finalidades (como, em redutores de engrenagens)
  • é necessária a remoção de calor através de óleo circulante
  • a purga ou remoção da graxa usada se torna complicada ou cara de lidar
Estimativa do intervalo de relubrificação para a graxa
A graxa lubrificante degrada-se lentamente e, portanto, tem uma vida útil limitada. A vida útil da graxa depende das condições operacionais do rolamento e do tipo de graxa. Os rolamentos precisarão ser relubrificados se:
  • a vida útil da graxa for menor que a vida útil especificada do rolamento
  • a graxa for contaminada
É importante calcular o intervalo de relubrificação da graxa; se ele for inaceitavelmente curto, a menos que você use lubrificação (centralizado) automática (→ Seleção de uma graxa apropriada, Sistemas de lubrificação), você deverá optar por óleo.

A relubrificação deve ocorrer com frequência suficiente para evitar que a deterioração da graxa tenha efeitos adversos sobre a vida útil do rolamento. Portanto, o intervalo de relubrificação SKF, tf, é definido como o período de tempo ao final do qual há apenas um 1% de probabilidade de falha do rolamento devido à degradação da graxa. Isso representa a vida útil da graxa L1. A vida útil da graxa L10 representa 10% de probabilidade de falha devido à degradação da graxa. A vida útil da graxa depende principalmente:
  • do tipo e do tamanho do rolamento
  • da velocidade
  • da relação de carga C/P
  • da temperatura operacional
  • do tipo de graxa
Como regra, as graxas padrão têm um limite superior de temperatura prático de 100 °C (210 °F) no anel com a maior temperatura. Acima dessa temperatura, graxas especiais ou sistemas de lubrificação automática (centralizada) devem ser utilizados – caso contrário, a vida útil da graxa será menor.

Intervalos de relubrificação

Use o diagrama 2 para estimar os intervalos de relubrificação tf. O diagrama é válido para rolamentos com um anel interno rotativo em eixos horizontais sob condições operacionais normais e limpas, utilizando:
  • o fator ndm multiplicado pelo fator de rolamento relevante bf onde
    • n = velocidade de rotação [rpm]
    • dm = diâmetro médio do rolamento [mm] = 0,5 (d + D)
    • bf = fator de rolamento dependente do tipo de rolamento e das condições de carga (tabela 1)
  • a relação de carga C/P
O intervalo de relubrificação tf é o número estimado de horas de operação que uma graxa de sabão de lítio de boa qualidade com um óleo-base mineral pode operar adequadamente quando a temperatura operacional é de 70 °C (160 °F). As graxas de alto desempenho podem estender os intervalos de relubrificação e a vida útil da graxa.

Os intervalos de relubrificação fornecidos no diagrama 2 devem ser ajustados de acordo com a tabela 2.

Se o fator de velocidade ndm exceder 70% dos limites recomendados (tabela 1), verifique a influência do lubrificante selecionado na temperatura operacional e na velocidade.

Na prática, intervalos de relubrificação acima de 30 mil horas não são confiáveis, pois intervalos dessa duração excedem a vida de desempenho previsível (devido à deterioração do lubrificante) da maioria das graxas.

Ajustes para os intervalos de relubrificação

A tabela 2 descreve vários ajustes para os intervalos de relubrificação em várias condições operacionais. Também é possível calcular os intervalos de lubrificação usando a SKF Bearing Calculator.

Determinação da quantidade de graxa para preenchimento inicial e relubrificação
Normalmente, o volume livre nos rolamentos é completamente preenchido durante a instalação, e o volume livre das caixas de mancal SKF é parcialmente preenchido. A SKF recomenda que o volume livre em cada lado do rolamento em um mancal projetado pelo cliente seja igual ao volume livre do rolamento. Para rolamentos com uma gaiola metálica, o volume livre no rolamento é de aproximadamente



onde
volume livre no rolamento [cm3] (para graxa padrão, massa em gramas multiplicada por 0,9; para graxa fluorada, massa em gramas multiplicada por aproximadamente 2) 

largura do rolamento [mm]
diâmetro externo [mm]
diâmetro do furo [mm]
massa do rolamento [kg]


Para rolamentos com gaiolas de outros materiais, a fórmula fornece uma leve estimativa excessiva.

Dependendo do método pretendido de relubrificação, a SKF recomenda:
  • relubrificação na lateral do rolamento (fig. 1)
    • preenchimento inicial: 40% do volume livre no mancal
    • quantidade de reabastecimento: Gp = 0,005 D B
  • relubrificação através dos furos no centro do anel externo ou interno (fig. 2)
    • preenchimento inicial: 20% do volume livre no mancal
    • quantidade de reabastecimento: Gp = 0,002 D B
onde
Gp quantidade de graxa a ser adicionada no reabastecimento [g]
diâmetro externo do rolamento [mm]

largura total do rolamento [mm] (para rolamentos de rolos cônicos, use T; para rolamentos axiais, utilize a altura H)


Durante um período de amaciamento, o excesso de graxa no rolamento é distribuído ou escapa. No final do período de amaciamento, a temperatura operacional cai, indicando que a graxa foi distribuída.

Em aplicações nas quais os rolamentos operam em velocidades muito baixas e uma boa proteção contra contaminação e corrosão é necessária, a SKF recomenda o preenchimento de 70% a 100% do mancal com graxa.

Procedimentos para relubrificação
Selecione um procedimento de relubrificação que seja adequado para a aplicação e o intervalo para relubrificação tf. A SKF recomenda um dos seguintes procedimentos:
  • Relubrificação manual por reabastecimento é um procedimento conveniente. Ele permite uma operação ininterrupta e, quando comparado com a relubrificação contínua, proporciona uma temperatura estável mais baixa.

  • Relubrificação automática (centralizada) evita problemas de desempenho relacionados ao excesso ou à falta de graxa. Também é muito usado quando há vários pontos de lubrificação, quando o acesso a posições é difícil ou quando o equipamento é operado remotamente sem equipe de manutenção local (diagrama 3).

  • Lubrificação contínua é usada quando os intervalos de relubrificação estimados são curtos devido a efeitos adversos de contaminação muito grave. A lubrificação contínua das aplicações normalmente é recomendada com valores de ndm < 150.000 para rolamentos de esferas e < 75.000 para rolamentos de rolos. Nesses casos, o preenchimento inicial com graxa para o mancal pode ser de 70% a 100% (dependendo das condições operacionais e da vedação do mancal), e a quantidade de relubrificação por unidade de tempo é obtida com as equações para Gp (→ Determinação da quantidade de graxa para o início e relubrificação inicial) ao distribuir a quantidade necessária ao longo do intervalo de relubrificação.

Deve haver provisão para a graxa usada ser purgada do mancal. Se for preciso purgar um excesso da graxa usada do mancal, as vedações de contato devem permitir isso (considere o tipo e a orientação da vedação). Caso contrário, um dreno deve ser fornecido no mancal – não é permitida tubulação porque ela pode dificultar o dreno de graxa. O dreno deve estar fechado durante a limpeza de alta pressão.

Onde uma variedade de tipos de rolamento é usada em um arranjo de rolamentos, é uma prática comum aplicar o menor intervalo de relubrificação estimado dos rolamentos no arranjo.

SKF logo