Cookies no site da SKF

Nós utilizamos cookies para assegurar que você tenha a melhor experiência em nossos sites e em nossos aplicativos da Web. Caso você continue sem alterar as configurações de seu navegador, entenderemos que você deu seu consentimento para receber cookies. No entanto, você poderá alterar as configurações de cookies de seu navegador a qualquer momento.

Seleção de uma graxa apropriada

Performance and operating conditionsBearing type and arrangementBearing sizeLubricationOperating temperature and speedBearing specificationBearing executionSealing, mounting and dismounting

Seleção de uma graxa SKF apropriada

O sortimento de graxas SKF para rolamentos oferece a escolha adequada para a maioria dos requisitos de aplicação. Essas graxas foram desenvolvidas com base no conhecimento mais recente sobre lubrificação de rolamentos, e a qualidade delas é monitorada continuamente.
Uso do LubeSelect e regras de seleção
O SKF LubeSelect é uma ferramenta on-line que lista as graxas SKF que atendem às exigências das condições operacionais especificadas. A análise realizada pela ferramenta é baseada em regras de seleção gerais que foram cuidadosamente desenvolvidas pelos especialistas em lubrificação da SKF.

As mesmas regras de seleção são utilizadas no Quadro de seleção de graxa para rolamentos SKF [PDF], no qual faixas de velocidade, temperatura e carga são usadas como parâmetros operacionais primários para selecionar uma graxa apropriada.

Faixas de temperatura, velocidade e carga para a seleção de graxas

Os termos usados para especificar as faixas de temperatura, velocidade e carga para os rolamentos lubrificados com graxa são definidos nas tabela 1, tabela 2 e tabela 3.

Consistência, NLGI

Consistência é uma medida da rigidez da graxa. A classificação das graxas pela consistência está de acordo com o NLGI (National Lubricating Grease Institute), ISO 2137. Graxas com um espessante de sabão metálico e uma classe de consistência 1, 2 ou 3 (macia à rígida) na escala NLGI geralmente são utilizadas para rolamentos. As graxas mais usadas têm uma consistência de classe 2.

Estabilidade mecânica

Durante a rotação do rolamento, a graxa é trabalhada mecanicamente, e pode ocorrer uma mudança na consistência. Essa propriedade é conhecida como estabilidade mecânica da graxa e é medida em testes padronizados, ASTM D217 e/ou ASTM D1831. As graxas que amolecem podem vazar da cavidade do rolamento. Aquelas que endurecem podem dificultar a rotação do rolamento ou limitar a separação do óleo. A estabilidade mecânica não deverá ser alterada drasticamente se a operação estiver dentro da faixa de temperaturas especificada da graxa. 

Proteção contra a corrosão

Em aplicações nas quais há presença de água ou condensação, as propriedades inibidoras de corrosão da graxa são muito importantes. A capacidade de inibir a corrosão é determinada pelas propriedades do aditivo inibidor de ferrugem e/ou pelo tipo de espessante. O desempenho é avaliado com o teste EMCOR, ISO 11007. Para aplicações nas quais há presença de água ou condensação, a classificação deve ser 0-0.

As especificações técnicas mais importantes para as graxas SKF são fornecidas em Especificações técnicas das graxas SKF [PDF].

O conceito de semáforo da SKF para o desempenho de temperatura da graxa
A faixa de temperaturas na qual uma graxa pode ser utilizada depende principalmente do tipo de óleo-base, do espessante e dos aditivos. Os limites de temperatura relevantes são ilustrados de modo esquemático no diagrama 1 em forma de semáforo duplo, e mais detalhes são fornecidos no diagrama 2.
  • O limite de temperatura baixa (LTL) é determinado pelo teste torque de atrito de temperatura baixa, de acordo com ASTM D1478 ou IP 186. O LTL é determinado pela temperatura na qual o torque de partida é igual a 1.000 Nmm e o torque de giro a 100 Nmm.

  • O limite de temperatura alta (HTL) é a temperatura na qual a graxa perde a consistência e torna-se um fluido. Ele é determinado utilizando o ponto de gota (ISO 2176).
Os limites de temperatura alta e baixa para uma operação confiável, indicados pela zona verde no diagrama 1, são:
  • limite de desempenho em temperatura baixa (LTPL), definido como a temperatura na qual a graxa não mostra mais separação de óleo suficiente, como medido na norma DIN 51817. O Diagrama 2 apresenta os valores de LTPL para rolamentos de rolos. Os valores de LTPL para todos os rolamentos de esferas são aproximadamente 20 °C (35 °F) menores.

  • limite de desempenho em alta temperatura (HTPL), determinado pelo teste de vida útil da graxa SKF R0F
Nesses dois limites, a graxa cumpre com sua função de maneira confiável, e o intervalo de relubrificação ou a vida útil da graxa é previsível. Como a definição dos limites de desempenho de temperatura não é padronizada internacionalmente, deve-se ter cuidado ao interpretar os dados de outros fornecedores de graxa.

Em temperaturas acima do limite de desempenho em alta temperatura (HTPL), a graxa degrada com rapidez acelerada. Portanto, as temperaturas na zona âmbar, entre o limite de desempenho em alta temperatura (HTPL) e o limite de temperatura alta (HTL), devem ocorrer somente por períodos bem curtos.

Também existe uma zona âmbar para temperaturas baixas, entre o limite de temperatura baixa (LTL) e o limite de desempenho em temperatura baixa (LTPL). Nessa zona, as temperaturas são muito baixas para proporcionar separação de óleo suficiente. A largura da zona âmbar depende do tipo de graxa e do tipo de rolamento. Podem ocorrer danos sérios quando os rolamentos forem operados de maneira contínua abaixo do LTPL. Períodos curtos nessa zona, como durante uma partida a frio, costumam não ser prejudiciais porque o calor causado pelo atrito leva a temperatura do rolamento para a zona verde.

Fatores e considerações adicionais ao selecionar uma graxa

Verificar a condição de lubrificação, considerar os aditivos EP/AW

A condição de lubrificação κ é avaliada utilizando a viscosidade do óleo-base, conforme descrito em Condição de lubrificação – a relação de viscosidade, κ. No domínio de condição de lubrificação definido por κ abaixo de 1, os aditivos EP/AW são recomendados.

Os aditivos EP/AW do tipo enxofre e fósforo, que são usados com frequência atualmente, também podem ter uma influência negativa sobre a vida útil à fadiga dos rolamentos. Isso acontece porque, na presença de umidade, a qual nunca é totalmente evitada, são produzidos ácidos de enxofre e fósforo que provocam um processo químico mais agressivo no contato de rolagem. Esse efeito aumenta com a temperatura e, para temperaturas acima de 80 °C (175 °F), um lubrificante com aditivos EP/AW só deve ser utilizado após testes rigorosos. As graxas SKF foram testadas e podem ser usadas acima de 80 °C (175 °F) até que o HTPL seja atingido.

Velocidades muito baixas

Os rolamentos que operam em velocidades baixas sob cargas pesadas devem ser lubrificados com uma graxa que contenha óleo-base de alta viscosidade com aditivos EP. Aditivos sólidos, como grafite e dissulfeto de molibdênio (MoS2), devem ser considerados para um fator de velocidade ndm < 20.000 mm/min. A SKF LGEV2 é utilizada com êxito até ndm = 80.000.

Cargas de rolamento pesadas e muito pesadas

Para rolamentos sujeitos a uma relação de carga C/P < 4, o intervalo de relubrificação calculado pode ser tão curto que impõe o uso de relubrificação contínua ou lubrificação a óleo.

Miscibilidade com outras graxas

Se for necessário trocar de um tipo de graxa para outro, considere a miscibilidade das graxas e a capacidade de mistura sem efeitos adversos (tabela 4 e tabela 5). Se forem misturadas graxas incompatíveis, a consistência da mistura poderá mudar radicalmente a ponto de danificar os rolamentos por causa do forte vazamento resultante. Observe que graxas espessadas com PTFE não são compatíveis com outros tipos de graxa.

Miscibilidade com óleos conservantes

Os óleos conservantes usados no tratamento dos rolamentos SKF são compatíveis com a maioria das graxas lubrificantes, com exceção das graxas de poliureia e graxas à base de óleo fluorado sintético que usam um espessante PTFE (por exemplo, graxa SKF LGET 2). Para graxas espessadas com PTFE, os conservantes dos rolamentos devem ser removidos antes da aplicação da graxa. Recomenda-se aguarrás como solvente. Certifique-se de que todos os resíduos de solvente tenham evaporado e imediatamente aplique a graxa.

Avaliação da adequação de graxas de outras marcas

As graxas de outros fornecedores devem ser aprovadas pelo fabricante. Use o diagrama 3 para avaliar o desempenho de temperatura e a previsão de vida útil da graxa. Quando relevante, pense nas considerações especificadas para as graxas SKF.

Sistemas de lubrificação

A lubrificação contínua pode ser obtida através de lubrificadores automáticos multiponto ou de ponto único (por exemplo, SKF SYSTEM 24 ou SYSTEM MultiPoint).
Sistemas de lubrificação centralizada, como SKF MonoFlex, SKF ProFlex, SKF DuoFlex, SKF MultiFlex (tabela 6) e Lincoln Centro Matic, Quicklub e Dual Line, podem confiavelmente fornecer graxa em uma ampla variedade de quantidades.
Para saber mais informações sobre os sistemas de lubrificação SKF Soluções em lubrificação.
SKF logo