Cookies no site da SKF

Nós utilizamos cookies para assegurar que você tenha a melhor experiência em nossos sites e em nossos aplicativos da Web. Caso você continue sem alterar as configurações de seu navegador, entenderemos que você deu seu consentimento para receber cookies. No entanto, você poderá alterar as configurações de cookies de seu navegador a qualquer momento.

cookie_information_popup_text_2[149]

Equilíbrio térmico

Performance and operating conditionsBearing type and arrangementBearing sizeLubricationOperating temperature and speedBearing interfacesBearing executionSealing, mounting and dismounting

A temperatura operacional de um rolamento atinge um estado estável quando há equilíbrio térmico – ou seja, há uma estabilidade entre o calor gerado e o calor dissipado.
Desde que a relação de carga C/P > 10, a velocidade esteja abaixo de 50% da velocidade-limite nlim e não haja entrada marcada de calor externo, o resfriamento por ar ambiente e pela fundação normalmente é suficiente para resultar em uma temperatura operacional muito inferior a 100 °C (210 °F). Onde essas condições não são atendidas, faça uma análise mais detalhada, pois talvez seja necessária dissipação de calor adicional.

Calor gerado

O calor gerado é a soma de:
  • calor gerado pelo rolamento devido à perda combinada de potência por atrito do rolamento e da vedação
  • fluxo de calor de processos ou peças adjacentes

Calor de atrito do rolamento (perda de potência)

O atrito do rolamento consiste principalmente em atrito rolante, atrito deslizante, atrito de vedação e perdas por arraste de óleo. → Atrito do rolamento, perda de potência e torque de partida

Fluxo de calor de processos ou peças adjacentes

Em muitas aplicações, os rolamentos estão em locais onde recebem:
  • calor das peças funcionais da máquina (por exemplo, devido ao atrito em engrenagens ou vedações de eixo)
  • calor externo (por exemplo, do vapor quente através de um eixo oco)

A temperatura operacional dos rolamentos é influenciada por esses fatores, além do calor gerado pelo rolamento. Exemplos dessas aplicações incluem:

  • cilindros secadores em máquinas de papel
  • rolos de calandra em máquinas de filme plástico
  • compressores
  • ventiladores de gás quente
A entrada de calor das peças adjacentes dentro da aplicação ou do processo pode ser muito acentuada e geralmente é muito difícil de estimar. A regra é isolar o rolamento o máximo possível do fluxo de calor adicional.

Calor dissipado

O calor dissipado é a soma de:
  • calor dissipado pelo eixo, mancal e fluxo de ar ambiente (por exemplo, efeitos de resfriamento em condições árticas)
  • calor dissipado através do lubrificante ou sistema de lubrificação
SKF logo